É, hoje, inegável o esforço da Administração Pública na substituição das tradicionais formas de contratar por soluções mais eficientes e desmaterializadas. Efetivamente, assistimos, por parte das múltiplas entidades administrativas e dos respetivos serviços públicos, à rápida adoção do fenómeno da “despapelização”. Neste âmbito, uma das inovadoras medidas adotadas prendeu-se com a criação e imposição das plataformas eletrónicas para o desenvolvimento de procedimentos concursais públicos.

No presente artigo, centraremos a nossa atenção nesta medida, de forma a desmistificar algumas dúvidas a ela associadas. Sabe-se que a Administração Pública, por forma a garantir a autenticidade, a integridade e a confidencialidade dos documentos eletrónicos partilhados nas aludidas plataformas, optou por impor a figura das assinaturas eletrónicas qualificadas.

No entanto, vários problemas e questões surgiram em relação à sua utilização.

Será possível assinar digitalmente uma proposta que agregue todos os documentos num único ficheiro PDF (“Portable Document Format”)?

Esta era uma das interrogações colocadas que se viu recentemente dissipada num acórdão do Supremo Tribunal Administrativo (doravante, STA), o qual analisaremos infra.

Antes de avançarmos, recorde-se que o n.º 4 do artigo 57.º do Código dos Contratos Públicos (CPP) especifica que os documentos da proposta devem ser assinados pelo concorrente ou por representante que tenha poderes para o obrigar. Por seu turno, o n.º 5 do artigo 54.º da lei que regula o funcionamento das plataformas eletrónicas, em conjugação com o n.º 4 do artigo 62.º do CPP, dispõe que a aposição de uma assinatura eletrónica qualificada deve ocorrer em cada um dos documentos eletrónicos, sob pena de causa de exclusão da proposta. 

Ora, a decisão jurisdicional, datada de 25 de novembro de 2021, começa por esclarecer o que se entende por documento PDF para, numa fase posterior, evidenciar as consequências advenientes da aposição de uma assinatura eletrónica a essa tipologia de ficheiros.

Com efeito, considera que um documento PDF constitui um formato aberto de arquivo não editável, apenas disponível para visualização/impressão, que impede a alteração do seu conteúdo e formato originais. Para além disso, especifica que, ainda que ele possa conter vários documentos, na prática, o ficheiro PDF consiste num único documento eletrónico.

Destarte, não faria sentido exigir ao seu signatário a aposição de diferentes assinaturas eletrónicas quando, na realidade, nos encontramos na presença de um só documento. Tal constituiria uma repetição e redundância de atos, sem qualquer efeito útil, dado que a assinatura pressupõe a aprovação integral do conteúdo do documento e implica a sinalização das eventuais alterações efetuadas. Por esta via, encontravam-se salvaguardadas as exigências legais de autenticidade, integridade e não repúdio.

Todavia, depois de analisados os supramencionados normativos legais, o acórdão do STA concluiu que não havia maneira de afastar o disposto no n.º 5 do artigo 54.º da Lei nº 96/2015, não se podendo desconsiderar a necessidade formal de aposição individualizada de diferentes assinaturas eletrónicas qualificadas por parte do autor/signatário.

Argumenta-se que a definição das formalidades de assinatura deriva da compatibilização de todo o quadro normativo, não podendo, de forma alguma, ser efetuada uma análise legal isolada.Sucede que, muito embora a assinatura eletrónica dos documentos da proposta agregados num único PDF assevere, de forma inequívoca, a autoria do signatário e dê garantias de integralidade material do cumprimento das exigências do artigo 57.º do Código dos Contratos Públicos, não assegura o cumprimento dos requisitos formais legalmente exigidos.

Por fim, o Supremo Tribunal Administrativo discorreu sobre a questão de saber se a proposta deve, ou não, ser excluída, atento o incumprimento das aludidas formalidades. A este respeito, concluiu-se que, neste tipo de procedimentos administrativos, os formalismos dotam-se de uma importância acrescida, proporcionando um tratamento igualitário e não discriminatório. Com efeito, entende-se que o incumprimento em causa deve ser considerado invalidante, culminando na exclusão da proposta contratual, a menos que ocorra uma expressa alteração legislativa.

A DigitalSign disponibiliza soluções para assinar eletronicamente os vários documentos da proposta contratual, cumprindo todas as exigências legais.

Para saber mais, visite o nosso site www.digitalsign.pt

LEIA TAMBÉM…

  • Workshop: O Cibercrime e a Transformação Digital
    A evolução da transformação digital coloca novos desafios sob a perspetiva da segurança. Por isso, em parceria com a Polícia Judiciária, a DigitalSign realizou um workshop no passado dia 15 de novembro de 2022: “O Cibercrime e a Transformação Digital Segura”. O workshop teve como objetivo apresentar diferentes perspetivas sobre a temática do cibercrime e […]
  • Fatura Eletrónica? Tire agora as suas dúvidas
    Na passada quinta-feira, dia 27 de outubro, a DigitalSign realizou um webinar acerca da temática da Faturação Eletrónica, que contou com a participação de mais de 400 pessoas. De um modo geral, alertou-se para a entrada em vigor de determinados requisitos legais aplicáveis à fatura eletrónica, discutiram-se as suas principais vantagens, terminando com a explanação […]
  • Webinar: Faturação Eletrónica – Chegou a Hora!
    É já na próxima quinta-feira, dia 27 de outubro de 2022, das 16h00 às 17h30, que o Webinar “Faturação Eletrónica – Chegou a hora!” terá lugar. O que é uma fatura eletrónica? Quais as vantagens da fatura eletrónica? Que diferentes métodos de assinatura qualificada existem? No Webinar, vai poder tirar todas as suas dúvidas sobre […]
  • 2 anos de Fatura Eletrónica e uma poupança que pode chegar aos 30 milhões de euros
    No passado dia 30 de agosto de 2022, lia-se no jornal de negócios “Estado poupa 25 milhões com Fatura Eletrónica – Compras da Administração Pública através desta ferramenta, que começou a funcionar em 2020, já permitiram ao Estado poupar em 25 milhões de euros até ao final do primeiro semestre deste ano”. A notícia deu […]
  • Qual o valor jurídico das assinaturas eletrónicas fora do espaço europeu?
    Várias vezes mencionámos que a DigitalSign é uma entidade credenciada, enquanto Prestador Qualificado de Serviços de Confiança (PQSC), para a emissão e gestão de certificados digitais qualificados em toda a União Europeia, fazendo parte da Lista de Confiança (Trusted List), nos termos do Regulamento eIDAS e do Decreto Lei n.º 12/2021. Todavia, nunca abordámos qual […]